jueves, 21 de octubre de 2010

Desvio de percurso

Quantas vezes não pegamos um desvio de percurso e ao caminhar por essa trilha, queremos apenas andar o necessário para voltar ao trajeto original, planejado para chegar ao destino almejado.

Porém, outras vezes, ao pegarmos algum desvio, nos surpreendemos com a beleza do caminho e por decisão racional ou emocional vamos permanecendo neste novo trajeto, observando os detalhes da paisagem e refletindo ou sentindo, se o tal desvio não devia se tornar o caminho principal.

Há aqueles que jamais pegam um desvio. Estes podem evitar ver seu plano alterado, e com isso evitam se sentirem perdidos e correr o risco de não alcançar a linha de chegada visualizada, mas também podem evitar descobrir que a vida é muito maior e melhor que nossos planos e devaneios.

Não há garantias. Um desvio pode ser o caminho mais rápido ou mais lento de se chegar a um objetivo. Pode ser o reforço do objetivo já traçado ou pode ser reconstrução total da meta pensada. E às vezes, o desvio não interfere no ponto final, mas apenas nos faz pensar mais na própria caminhada e esquecer um pouco do “para onde vou” e sentir mais o “onde estou”. Atentamente perceber se os passos dados, a respiração e as batidas do coração estão em paz, em harmonia com o ecossistema em volta. Certamente, um bom desvio, em alguns momentos, deve trazer algo de desritmia. É que sem emoção a razão é tão chata. O importante é encontrar o ponto de conforto quando se está em território desconhecido. E se você descobre esse ponto de paz, então não importa se você esta no desvio ou na estrada principal, você está no caminho certo.

Besitosss e boa caminhada a todos!

Quel

Raquel Gomes de Oliveira

@comuniquel


2 comentarios:

Djabal dijo...

Você está absolutamente certa. Porém, gostaria de fazer um acréscimo.

Todas as vezes que o desvio aparece, ou nós o escolhemos, a dificuldade para tomá-lo vem do medo do desconhecido.

Ou da decepção pelo erro do trajeto anterior.

E, para evitar essas dificuldades aprendi o seguinte: à medida que uma dificuldade aparece e torna o nosso trajeto difícil, com pedras no meio do caminho, simplesmente alteremos a rota. Toda dificuldade é um aviso, se ela é grande, o aviso ficará vermelho como tomate, e devemos tomar outro caminho, sem medo, porque ele estará no antigo.

E assim, no mínimo, seremos mais felizes.

Temos conclusões parecidas, apenas acescentei alguns detalhes e aproveito para dar-lhe os parabéns.

Besitos.

Raquel dijo...

Ai meu querido e sábio amigo seu acréscimo faz meu texto melhor.
Eu certamente não tenho medo de desvios, e estou atenta a necessidade de novos desvios ou da escolha pelo caminho anterior.

Besitosss en tu corazón!
Quel