martes, 29 de marzo de 2011

Sobre o ir e vir dessa vida

Ontem fui dormir radiante de felicidade. Uma grande amiga, irmã escolhida, me dava a notícia que está grávida. Durmo agradecendo e sorrindo em pensar naquela gravidez tão desejada.

Hoje a emoção que transborda em meu ser é oposta. Uma amiga foi embora... por uma fatalidade.

Sentindo que o inesperado nos toca a cada instante, penso no efêmero que são os momentos, que são os seres e na importância de não perdemos uma só oportunidade de sermos felizes e fazer quem amamos e nos importa sentir isso.

Entender que a vida é esse eterno ciclo de transformação contínua, de emoções contraditórias, de vivências muitas vezes inexplicáveis e histórias com enredos que superam qualquer ficção faz da gente mais inteiro. Claro que nem por isso estamos preparados para o que der e vier. Porque simplesmente tem coisas que não da para se preparar, não tem ensaio. É na base do fazer acontecer, nos melhores dos casos, é improvisar com desenvoltura.

Nessa vida em que tudo parece tão passageiro e mutável, me pergunto o que pode ficar?

Os sentimentos e lembranças que guardamos das pessoas! Então que sejam bons. Se forem ruins que os transformemos até pelo menos nada sentir. Que os que tragam dose de dor e tristeza, sejam porque vem da falta do bom momento vivido e compartilhado. Assim, quando Kronos, o deus do tempo trouxer paz, a dor e tristeza não mais existirão, mas sim a saudade e novamente a lembrança daquilo que foi bem vivido e apreciado.

Uma amiga me disse um dia, que determinada coisa aconteceu porque ela amou demais. Recuso-me acreditar nisso, fatalidades não tem nada a ver com merecer ou não merecer, amar ou não amar. Temos que estar atentos e cuidadosos para os perigos que nos cercam, mas isso não garante que sairemos ilesos. O que não podemos é viver pela metade, viver com medo, viver sem arriscar, sem provar, sem ousar, sem confiar, e principalmente, sem amar. Coragem é minha melhor companhia.

Tantas vezes a vida não parece justa. É tão fácil olhar ao redor e ver tragédia, miséria e sofrimento. Mas a lógica da vida, sua justiça e engrenagem é maior que nosso poder de compreensão através da racionalidade. O tempo pode trazer algumas respostas, as sensações outras, mas mesmo quando ficamos sem o entendimento, acalenta pensar que nada é por acaso e que tudo acontece do jeito que é possível ser, e que sempre se pode fazer diferente do momento do agora, em diante.

Hoje estou inevitavelmente triste, mas a certeza que esse sentimento é passageiro e mutável me acalenta a alma. E sobre o inevitável, Chaplin tem uma frase que gosto muito: “A única coisa tão inevitável quanto a morte é a vida”.

Vou pensar na vida do baby que está chegando.

E que venha a Paz! Aos que vão, aos que ficam e aos que chegam.


Obs.: Hoje também partiu José de Alencar, ex- vive presidente do Brasil. Um homem admirável, cheio de fé, que demonstrou um amor incondicional pela vida e serenidade, força e bom humor diante um cancêr que durou 13 anos.


Imagem: Gustav Klimt, death and Life, 1916.


14 comentarios:

Mônica Paz dijo...

interessante, tb tenho esse lema do viver, ontem tava mal pq estava com medo, hoje já recuperei o rumo.
sinto pela sua perda!
bjss

Mônica Paz dijo...
Este comentario ha sido eliminado por el autor.
Raquel dijo...

Obrigada Mônica. E bom saber que já recuperou o rumo.

Beijos

Lau Milesi dijo...

Quelzinha, meus sentimentos. A vida é assim... de idas e vindas. Quando meu pai se foi... meses depois chegou a Rafaella, a minha netinha artista.
Dá pra entender??? Por isso temos que viver a vida intensamente. Adoro essa palavra. Ela (a vida) não pode ser passada a limpo, infelizmente.Rezarei para que a sua amiga descanse em paz num campo de lindas violetas.Mais uma pessoa do bem que "luarizou-se"... como meu pai, minha mãe, José Alencar e tantos outros pessoas de bem e do bem.

Um beijinho e fique bem, viu?

Paulo-Roberto Andel dijo...

Você tem que colocar essas coisas sob brochura. É preciso.

Lamento muito de quem não gosta do teu blog. Nem todos na Terra nasceram com a visão do bem.

Bj.

Raquel dijo...
Este comentario ha sido eliminado por el autor.
Raquel dijo...

Paulinho,

Eu não me importo, e acho que é preciso mesmo que exista quem goste e quem não goste, mas o que me irrita é o uso indevido, equivocado de informação do blog para causar mal estar alheio.

Ah! e quem sabe vc não me da dicas de como colocar em brochura :)

Miau!

Raquel dijo...

Eu também Lau, adoro a palavra intensamente, assim como serenamente. A momentos para ambas, é precisa viver intensamente bem com aqueles que amamos e queremos bem, para que em suas faltas possamos viver uma saudade, serenamente :)

Beijos!

Professora dijo...

Amei a notícia também!!! Ficamos babando, estamos primos babões...
Que tenha saúde, sucesso e a luz dos pais!
Bjuuu
Ana

Raquel dijo...

Professora!

Ê notícia boa, né! Eu já estou me sentindo super tia.

Beijossss

Djabal dijo...

"Deus acompanha quem não pensa."

É uma bela frase diante da vida, detrás dela deve caber tanta coisa; o seu texto, por exemplo, como contraponto entre a alegria e a tristeza e a memória; se esconde o sábio para quem a vida e a morte não merecem celebração. Seja a terceira margem do rio, aquela imprevista, ou imprevisível. Besitos.

Raquel dijo...

E isso ai Amigo!

Esse estado de não pensar, a essência do meditar, mas ser consciente, sentindo na paz o momento presente.

Beijos

Salete Cardozo Cochinsky dijo...

Querida Quel
Essa semana inteira li teus Post, mas a cada intante que ia deixar o comentário a campanhia tocava e eu precisava abrir o portão para uma pessoa que eu precisa atender.
Sobre esse texto escri três comentários que não consegui postar.
Hoje passo para dizer que estarei mais presente. Voltei a "ativa" com leituras, comentários e publicação de POst.
Mas a vida é assim mesmo, um traslado frequnte e simultâneo, pois nós, não somos nós, nem formamos nós sem esses outros que tem influencia em nossas vidas.
Esse é um texto completamente diferente daqueles demais que havia escrito para postar aqui.
Beijos

Raquel dijo...

Saly, é tão bom que apesar do ir e vir, agora ficou :)

Besitosss